O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação e exibir anúncios dirigidos. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies. Para saber mais leia a nossa Política sobre cookies. Aconselhamos igualmente a consulta da nossa Política de privacidade.

REINO UNIDO: COVID-19

Conheça os constrangimentos, medidas de relançamento da economia e oportunidades de negócio no Reino Unido decorrentes da COVID-19.

PRINCIPAIS CONSTRANGIMENTOS PARA AS EMPRESAS

  • TRAVEL BAN – as deslocações de pessoas entre Portugal e Reino Unido estão suspensas. Quem tenha estado ou transitado em/por Portugal nos últimos 10 dias não pode entrar no Reino Unido. Esta regra não se aplica aos britânicos, irlandeses e estrangeiros residentes (terão de cumprir quarentena em hotel durante 10 dias quando provenientes de países de risco elevado, como Portugal). Estas restrições não se aplicam aos transportadores terrestres.
  • Quarentena obrigatória – quem viajar para o RU, para além de ter que apresentar teste negativo à Covid-19 realizado 72h antes da partida (transportadores de mercadorias constituem exceção) e preencher um formulário, terá de cumprir quarentena obrigatória de 10 dias (possibilidade de redução mediante apresentação de resultado negativo a teste realizado no 5º dia) e de realizar 2 testes covid durante o isolamento. Estão isentos aqueles que exerçam profissões consideradas essenciais ou que viajem dentro da “Common Travel Area” (RU, Irlanda e ilhas).
  • Reino Unido encontra-se em estado de “Lockdown”. Todo o comércio não essencial encontra-se encerrado e as pessoas devem recolher às suas casas, exceto por algum motivo legalmente previsto (ex. trabalho que não possa ser feito de casa). É proibido viajar para fora do país sem uma razão válida.

Já foi apresentado plano de “desconfinamento” (ver mais aqui, aqui ou aqui).

  • Constrangimentos pós-Brexit – desde 01-01-2021, verificam-se alguns problemas logísticos, aduaneiros, alfandegários e procedimentais que não aconteciam anteriormente. Apesar do novo acordo de comércio celebrado entre as partes, as trocas comerciais entre a UE e o Reino Unido passaram a estar sujeitas a procedimentos aduaneiros, trâmites burocráticos e a controlos fronteiriços (à semelhança do que acontece com qualquer outro país terceiro), que antes não existiam.

 

APOIO ÀS EMPRESAS NO MERCADO

Segundo um artigo do The Guardian (set 2020), estima-se que o governo já tenha lançado mais de 190 medidas de apoio às empresas e cidadãos britânicos. Em traços muito gerais, as medidas consistem na:

  • Facilidade de acesso ao crédito e isenção de impostos para empresas afetadas pela Pandemia;
  • Disponibilização de subsídios para apoio aos setores mais afetados (turismo, restauração, cultura e entretenimento, retalho), e a setores que nesta altura se revestem de especial importância (saúde, I&D).
  • Proteção de arrendatários comerciais e habitacionais (isenção de pagamento de obrigações; subsídios de apoio ao pagamento de rendas; proteção de inquilinos em risco de despejo)
  • Proteção dos trabalhadores e desempregados (subsídios de apoio à manutenção de emprego terminam a 30-04-2021, o que pode implicar subida do desemprego; possível extensão até julho).
  • Poderá consultar as principais medidas aqui1, aqui2, aqui3 ou aqui4.

 

CONSELHOS ÚTEIS ÀS EMPRESAS 

NOVAS OPORTUNIDADES:

  • Crescimento exponencial do E-Commerce: vendas online representaram quase 30% do total
  • Produtos farmacêuticos e relacionados com a saúde
  • Construção e Materiais de construção –programa “Construction 2025 e “Industrial Strategy
  • Saúde e Life Sciences - financiamento público de £500m em investigação e £1bn em invest. industrial.
  • TIC/Tech (Digital) - A indústria cresceu 6x mais rápido do que qualquer outro setor no RU em 2019.
  • Energias renováveis/soluções energéticas/ambiente- “10 pontos - Revolução Industrial Verde”.
  • Conselhos úteis: Verificar guia de preparação para o Brexit da AT; Aproveitar fortes e antigas relações bilaterais com o Reino Unido; Apresentar produtos diferenciadores e com conteúdos design e marca própria; Apresentação dos produtos deve adaptar-se ao gosto do consumidor britânico, devendo-se sempre consultar as autoridades reguladoras neste campo; Contacto telefónico essencial para agendamento de futuras reuniões; As relações pessoais são fundamentais e as viagens de prospeção ao país necessárias (de momento não é conveniente deslocar-se ao país por causa da quarentena obrigatória. Alternativamente, deve insistir no agendamento de e-meetings); Catálogos e toda a literatura da empresa devem ser escritos em inglês correto e cuidado; Os britânicos são pragmáticos, se lhes interessa um produto indicam-no prontamente, não colocando obstáculos à origem desde que o preço e condições sejam bons; Legislação específica para determinados produtos, que é necessário conhecer antes de os tentar introduzir no mercado; A grande maioria das feiras comerciais passou para formato digital ou foi adiada para 2021; Empresas portuguesas com subsidiárias no Reino Unido poderão ter melhor acesso aos países da Commonwealth e facilidade em fazer negócio.

 

SITES RELEVANTES

Nota: Tendo em conta o rápido desenvolvimento da pandemia COVID-19 e dos seus impactos na economia dos diversos países, a informação constante nesta página poderá não corresponder à totalidade da informação do mercado disponível e poderá ficar temporariamente desatualizada.

Última atualização: 1 de março de 2021.

As empresas clientes da AICEP poderão contactar os respetivos Gestores de Cliente que lhes poderão fornecer informação adicional ou mais detalhada.