O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação e exibir anúncios dirigidos. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies. Para saber mais leia a nossa Política sobre cookies. Aconselhamos igualmente a consulta da nossa Política de privacidade.

MARROCOS: COVID-19

Conheça os constrangimentos, medidas de relançamento da economia e oportunidades de negócio em Marrocos decorrentes da COVID-19.

PRINCIPAIS CONSTRANGIMENTOS PARA AS EMPRESAS

No quadro do estado de urgência atualmente em vigor, as fronteiras aéreas, terrestres e marítimas de Marrocos estão encerradas. Apesar de algumas exceções, vias aérea e marítima, para permitir que certas categorias de pessoas (ex. empresários, cidadãos com autorização de residência, turistas com reserva de hotel) possam entrar e sair em Marrocos, Portugal viu cancelados os seus voos para Marrocos, até ao dia 28 fevereiro, altura em que haverá novas orientações por parte das autoridades marroquinas. Assim, os cidadãos portugueses só poderão sair de Marrocos via países terceiros, não obstante estarem interditos de entrar no país por qualquer via.

É ainda obrigatória a apresentação de teste PCR negativo à entrada de Marrocos.

As medidas sanitárias atualmente em vigor são: recolher obrigatório em todo o território nacional, entre as 21h00 e as 06h00 da manhã; encerramento dos restaurantes, cafés, comércio e grandes superfícies pelas 20h00, sendo que em Casablanca, Agadir, Marraquexe e Tanger os referidos estabelecimentos estão totalmente encerrados, e; proibição de festas e de agrupamentos.

A crise tocou praticamente o conjunto dos setores produtivos, o turismo, a restauração, o imobiliário, assim como o setor informal, o qual representa atualmente 30% do PIB.

 

APOIO ÀS EMPRESAS NO MERCADO

O CVE – Comité de Veille Économique decidiu prorrogar o prazo de concessão dos empréstimos da Garantia “Damane Relance”, até 31 de março 2021, assim como expandir a oferta para seguradoras, casas de câmbio e para sociedades de transferências de fundos. Também as empresas de transporte turístico afetadas pela crise viram aumentado o valor do crédito para 2 meses de faturação, assim como aligeiramento das condições para as empresas de construção e obras públicas, consideradas viáveis, em particular as com menos de 3 anos de existência e detentoras de investimentos significativos e dívida elevada antes da crise. Quanto às empresas de imobiliário não beneficiárias de CPI (crédito de promoção imobiliária), viram aumentado o limite máximo do valor de crédito de recuperação de 40% para 50%, excluindo terrenos.

Lançamento de quatro novos contratos-programa destinados ao setor da imprensa, indústrias culturais e recreativas, ginásios privados e creches, visando a preservação do emprego.

 

CONSELHOS ÚTEIS ÀS EMPRESAS

As empresas portuguesas presentes no mercado devem estar atentas aos vários programas que estão a ser lançados pelo governo marroquino visando identificar as potencialidades de empresas portadoras de projetos industriais inovadores e/ou com desejo de reconversão dos seus negócios, e encorajar a emergência de uma nova geração de indústrias, com o objetivo de criação de emprego e de riqueza na fase pós-covid-19.

Num contexto marcado por um processo de relocalização em curso da produção mundial, seguido da perturbação das cadeias de aprovisionamento, agravada pela pandemia, regista-se uma clara tendência de reposicionamento estratégico, por parte dos decisores no que concerne a localização das suas zonas industriais. Assim, Marrocos começa a ser encarado como um mercado alvo, em face da sua excelente posição geográfica, de uma infraestruturação moderna e detentora do porto de contentores mais relevante (Nº1) do mediterrâneo, para além de uma mão-de-obra jovem e qualificada, do baixo salário mínimo, de vantagens ficais oferecidas pelo país, só para citar algumas.

Por outro lado, este enquadramento empurrou o Reino de Marrocos a um ajustamento da sua estratégia de atração de IDE, como por exemplo, reforçando a promoção dos ecossistemas, do “Made in Morocco” ou a aposta na economia verde (programa Tatwir verde/descarbonização), com vista a capitalizar este enorme potencial.

 

SITES RELEVANTES

Nota: Tendo em conta o rápido desenvolvimento da pandemia COVID-19 e dos seus impactos na economia dos diversos países, a informação constante nesta página poderá não corresponder à totalidade da informação do mercado disponível e poderá ficar temporariamente desatualizada.

Última atualização: 1 de março de 2021.

As empresas clientes da AICEP poderão contactar os respetivos Gestores de Cliente que lhes poderão fornecer informação adicional ou mais detalhada.