O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação e exibir anúncios dirigidos. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies. Para saber mais leia a nossa Política sobre cookies. Aconselhamos igualmente a consulta da nossa Política de privacidade.

FRANÇA: COVID-19

Conheça os constrangimentos, medidas de relançamento da economia e oportunidades de negócio em França decorrentes da COVID-19.

PRINCIPAIS CONSTRANGIMENTOS PARA AS EMPRESAS

  • Desconfinamento progressivo em França: até 30 de junho, todos os estabelecimentos comerciais deverão abrir e todas as restrições de circulação serão levantadas;
  • Partidas e chegadas de/para França estão interditas, exceto por motivos de força maior e são condicionadas à apresentação de um teste PCR negativo.
  • Autorizada a entrada em França de cidadãos franceses residentes no estrangeiro e a deslocação de trabalhadores transfronteiriços, mediante apresentação de teste PCR negativo;
  • Comércio de bens e serviços aberto com as seguintes restrições: restauração limitada a serviço de esplanada e até 6 pessoas por mesa e presença de um cliente por 8m2 em lojas (incluindo centros comerciais);
  • A partir de 9 de Junho está prevista a reabertura de ginásios, salões e feiras (até um máximo de 5.000 pessoas), serviço interior na restauração e presença de um cliente por cada 4m2 em lojas;
  • Funcionamento normal de escolas do ensino básico exceto em 15 departamentos (toda região de Île-de-France incluída) onde apenas metade dos alunos pode assistir às aulas presencialmente e alternadamente. Este sistema é também aplicado em todos os liceus a nível nacional;
  • Recolher obrigatório em todo o território francês entre as 21h e as 6h. Deslocações durante o horário do recolher obrigatório deverão ser feitas apenas em casos imperiosos. A partir de 9 de junho este horário será alargado para as 23h;
  • Teletrabalho durante 4 dias por semana para as empresas cuja atividade o permita;
  • Setores mais afetados: aeronáutica, hotelaria, restauração, retalho, organização de eventos, desporto e animação noturna.

 

APOIO ÀS EMPRESAS NO MERCADO

  • Alargamento do prazo para o pagamento dos encargos sociais e fiscais por parte das empresas e cancelamento das obrigações do mesmo género para empresas com menos de 10 trabalhadores. Suspensão das rendas, contas de água, gás e eletricidade para PME em dificuldade;
  • Criação de fundo de 300 mil milhões de euros para garantir empréstimos solicitados pelas empresas a entidades bancárias;
  • Financiamento direto aos trabalhadores através do mecanismo de desemprego parcial, alargado aos pais que sejam forçados a manter-se no seu domicílio para tomar conta dos filhos;
  • Criação de um fundo de 20 mil milhões euros para participação ou nacionalização em/de empresas francesas industriais em dificuldades;
  • Apoio de 5 000 euros destinado a empresas em dificuldades e em risco de falência;
  • Restaurantes, bares, ginásios e discotecas administrativamente fechados poderão obter um apoio correspondente a 20% da sua faturação de 2019 ou 10.000€ do fundo de solidariedade;
  • Publicação do “Plan de Relance” que constitui um roteiro para a reconstrução económica, social e ecológica de França até 2030 prevendo medidas no valor de 100 mil milhões de euros.

 

CONSELHOS ÚTEIS ÀS EMPRESAS

  • Reforçar o posicionamento de fornecedor nearshore (“regional value chains”);
  • Investir nos canais de comunicação/distribuição digitais;
  • Comunicar amplamente ações de solidariedade e de responsabilidade social durante o período crise e pós-crise;
  • Continuar a marcar presença, física ou digital, nas “feiras-âncora” que se realizam em França em diversos setores de atividade;
  • Tirar partido das poupanças acumuladas pelos franceses durante 2020 (a mais alta desde os anos 70);
  • Acompanhar e aproveitar as oportunidades existentes nas diversas plataformas de marketplaces existentes no mercado francês;
  • Avaliar a possibilidade de implementação de uma estratégia de entrada e de desenvolvimento de negócios em outros mercados francófonos europeus, tirando partido da existência de uma língua comum, das novas ferramentas digitais e das facilidades de transporte e comunicação existentes;
  • A tendência do consumo “Made in France” cresceu durante a pandemia COVID-19. Necessidade de oferecer produtos de qualidade e altamente diferenciados para fazer face à forte concorrência francesa.

 

SITES RELEVANTES

Nota: Tendo em conta o rápido desenvolvimento da pandemia COVID-19 e dos seus impactos na economia dos diversos países, a informação constante nesta página poderá não corresponder à totalidade da informação do mercado disponível e poderá ficar temporariamente desatualizada.

Última atualização: 28 de maio de 2021.

As empresas clientes da AICEP poderão contactar os respetivos Gestores de Cliente que lhes poderão fornecer informação adicional ou mais detalhada.