O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação e exibir anúncios dirigidos. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies. Para saber mais leia a nossa Política sobre cookies. Aconselhamos igualmente a consulta da nossa Política de privacidade.

ESPANHA: COVID-19

Conheça os constrangimentos, medidas de relançamento da economia e oportunidades de negócio em Espanha decorrentes da COVID-19.

PRINCIPAIS CONSTRANGIMENTOS PARA AS EMPRESAS

  • Eliminação da obrigatoriedade de utilizar máscara em espaços exteriores sempre que seja possível manter o distanciamento social de 1,5 metros.; Obrigatoriedade do uso de máscara em interiores, medidas de restrição da atividade e mobilidade estabelecidas por cada Comunidade Autónoma;

  • IFEMA retoma feiras presenciais limitadas e com fortes medidas sanitárias (FITUR maio e ARCO julho), num total de cerca de 50 feiras presencias e virtuais previstas este ano.

  • PIB espanhol caiu 11% em 2020 - é o país mais afetado pela crise sanitária na OCDE, consequência da elevada incidência da pandemia; do peso das PME; do peso dos setores do turismo, restauração e indústria automóvel (afetada por via das restrições à mobilidade e dos planos de transição carbónica); Aumento da incerteza, do desemprego e da precaridade laboral. Redução do consumo; O défice público atinge cerca de 11% do PIB e a dívida 120%.

  • Após uma queda do PIB de 0,4% no primeiro trimestre, previsões do Banco de Espanha apontam para um crescimento de mais de 2% no segundo trimestre, uma procura interna dinâmica deverá ser o principal motor da recuperação. A Comissão Europeia antecipa que Espanha será um dos estados-membros com maior crescimento da economia este ano, 6,2%, muito acima da média europeia (4,8%). A magnitude final da retoma depende fortemente da recuperação do turismo estrangeiro.

  • Previsões de diversos analistas antecipam crescimento de até 6,5% do PIB espanhol em 2021 (6,5% Governo, FMI 6,4%, PWC 6,3%, BdE 6,2%, OCDE 5,9%, Funcas 5,8% Comissão Europeia 5,9, BBVA Research 5,5%); A economia espanhola deverá recuperar o nível pré-Covid no final de 2022 / início de

 

APOIO ÀS EMPRESAS NO MERCADO

  • Avais do Estado até 80% dos empréstimos para PME e trabalhadores independentes e canalizados para investimento empresarial em áreas de maior valor acrescentado, sustentabilidade, transição ecológica e digitalização; Fundo de Apoio à Solvência de Empresas Estratégicas: resgate de empresas não financeiras estratégicas e economicamente viáveis; Linhas de crédito de capital circulante para empresas exportadoras; Flexibilização de prazos e procedimentos dos regimes de insolvência; Extensão do regime de layoff (ERTE) até 30 de setembro; Restrições à livre circulação de capitais com origem em países terceiros para proteger ataques hostis a empresas espanholas de setores estratégicos;

  • Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência “España puede”. Nova lei para promover a criação de startups reduz tributação para 15% e cria visto para “nómadas digitais”

  • PERTE: sociedades mistas público-privadas que irão gerir grandes projetos com financiamento UE. Primeiro PERTE na cadeia de valor do automóvel elétrico, consórcio público-privado com Grupo Volkswagen e a Iberdrola.

  • Pacote de apoios de 11.000 M€: apoio direto a PME gerido pelas Comunidades Autónomas (7.000 M€); reestruturação dos empréstimos com garantia do Estado (3.000 M€); e recapitalização de empresas de tamanho médio, através da COFIDES (1.000 M€).

 

CONSELHOS ÚTEIS ÀS EMPRESAS

  • Potenciar a proposta de valor de Portugal como fornecedor em proximidade. Regresso das cadeias de fornecimento a geografias mais próximas procurando valorizar a segurança de abastecimento, rapidez e flexibilidade. Maior relevância para series curtas e entregas frequentes;

  • Promover cadeias de valor ibéricas aproveitando o desinvestimento de alguns setores produtivos industriais espanhóis ao longo das últimas duas décadas, ou potenciando relacionamentos de complementaridade e de integração das cadeias de produção;

  • Aproveitar a tendência para uma maior diferenciação, customização e personalização do produto. O consumidor espanhol é exigente e está mais sensível às regras ambientais e de sustentabilidade. Maior controlo e verificação do “made in” e da composição do produto nas etiquetas, o que joga a favor das empresas portuguesas;

  • Imagem de Portugal, em geral, com evolução muito positiva ao longo dos últimos anos;

  • A transformação digital multiplica a oferta de licitações, projetos e fomenta a criação de novos empregos. Acompanhar e aproveitar oportunidades nas plataformas de e-commerce (marketplaces ou B2C). Requer fotos, storytelling, ferramentas de comunicação, domínio do castelhano, atenção ao cliente, gestão faturas e devoluções;

  • Ausência de um mercado único e homogéneo. Descentralização de poderes em áreas relevantes. Línguas, hábitos culturais, climas diferentes requerem abordagens regionais. 

  • Potenciais oportunidades: energias renováveis, nomeadamente eólica e a fotovoltaica; aumento baseado em múltiplos projetos por todo o território; dez Comunidades Autónomas impulsionam projetos para a implementação de fábricas de baterias elétricas.

 

SITES RELEVANTES

Nota: Tendo em conta o rápido desenvolvimento da pandemia COVID-19 e dos seus impactos na economia dos diversos países, a informação constante nesta página poderá não corresponder à totalidade da informação do mercado disponível e poderá ficar temporariamente desatualizada.

Última atualização: 15 de julho de 2021.

As empresas clientes da AICEP poderão contactar os respetivos Gestores de Cliente que lhes poderão fornecer informação adicional ou mais detalhada.