O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação e exibir anúncios dirigidos. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies. Para saber mais leia a nossa Política sobre cookies. Aconselhamos igualmente a consulta da nossa Política de privacidade.

XANGAI: COVID-19

Conheça os constrangimentos, medidas de relançamento da economia e oportunidades de negócio em Xangai decorrentes da COVID-19.

PRINCIPAIS CONSTRANGIMENTOS PARA AS EMPRESAS

  • Empresas portuguesas permanecem impossibilitadas de visitar o mercado chinês presencialmente, devido às restrições impostas pelas autoridades chinesas nas fronteiras do país, que também dificultam a deslocação de expatriados portugueses neste mercado a Portugal.
  • Constrangimentos verificados no transporte marítimo de mercadorias generalizadas, devido à escassez de contentores e rotas em funcionamento, aumento do tempo de viagem e constrangimentos aduaneiros, decorrentes das medidas de prevenção e controlo de COVID-19 implementadas pelas autoridades alfandegárias chinesas sobre mercadorias importadas; Tempo médio do transporte ferroviário de mercadorias, da Europa Central para a China, aumentou de 4 para 7 a 8 semanas e transporte rodoviário, realizado por camião, encontra-se bloqueado.
  • Atualmente, as vacinas chinesas da Sinopharm e Sinovac estão a ser administradas voluntariamente a cidadãos chineses e estrangeiros entre os 18 e 59 anos.
  • Para as empresas europeias e seus funcionários, a disponibilidade de vacinas aumentou as expectativas de que certas restrições às viagens internacionais possam ser suspensas para aqueles que receberam a vacina. No entanto, isso requer que um mútuo reconhecimento da vacina e, atualmente, tal não se verifica entre a UE e a China, não havendo indicação se será mais fácil, para aqueles que receberam uma vacinação aprovada na EU, solicitar um visto chinês. Porém, no dia 20.04.21, num comunicado publicado no website da Embaixada da China em Washington D.C., as autoridades chinesas passam a reconhecer as vacinas americanas para efeitos de obtenção de visto de entrada na China. 

 

APOIO ÀS EMPRESAS NO MERCADO 

O governo municipal de Xangai anunciou 28 medidas para atenuar os prejuízos que possam advir da epidemia:

  • Intensificação de apoio fiscal e financeiro para empresas que desempenham papéis importantes na prevenção de epidemias, como farmacêuticas.
  • Isenção de imposto para a importação de produtos médicos relacionados com a prevenção da epidemia.
  • Redução ou isenção temporária de rendas de imóveis para PME que arrendem imóveis do Estado, entre fevereiro e abril.
  • Isenção de imposto sobre montante fixo para empresas em nome individual.
  • Redução das taxas de juro nos empréstimos a empresas que estejam diretamente envolvidas no combate à epidemia, PME ou dos setores mais afetados.
  • Redução temporária da contribuição de segurança social para empregadores.
     

CONSELHOS ÚTEIS ÀS EMPRESAS

  • Uma vez que permanecem impossibilitadas as viagens de prospeção ao mercado chinês, devido ao controlo exercido nas fronteiras, aconselha-se às empresas portuguesas a aposta nos canais de comunicação digitais bem como a venda através do e-commerce, recomendando-se a visualização do webinar AICEP com a ALIBABA sobre o cross-border e-commerce. Aos produtores nacionais que exportam ou pretendem exportar bens agroalimentares para o mercado chinês, aconselha-se o reforço do controlo sobre as mercadorias expedidas, uma vez que os produtos da cadeia de frio, importados por este país, são alvo de medidas adicionais de prevenção e controlo de COVID-19 impostas pela Administração Geral das Alfândegas da China (deverão ser contactados os serviços centrais da Direção Geral de Alimentação e Veterinária a este respeito para clarificação dos requisitos adicionais, bem como os serviços centrais da AICEP e delegações da AICEP em Pequim, Xangai, Cantão e Macau); aconselha-se às empresas nacionais particular atenção na aquisição de materiais e equipamentos médicos chineses devido ao aumento do número de diferendos entre empresas portuguesas e chinesas, devido ao incumprimento de prazos estabelecidos e das condições acordadas.
  • Setores com oportunidades: saúde preventiva; telemedicina e gestão digital do paciente; alimentação orgânica; cosmética.

4. SITES RELEVANTES

Nota: Tendo em conta o rápido desenvolvimento da pandemia COVID-19 e dos seus impactos na economia dos diversos países, a informação constante nesta página poderá não corresponder à totalidade da informação do mercado disponível e poderá ficar temporariamente desatualizada.

Última atualização: 26 de abril de 2021.

As empresas clientes da AICEP poderão contactar os respetivos Gestores de Cliente que lhes poderão fornecer informação adicional ou mais detalhada.