O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação e exibir anúncios dirigidos. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies. Para saber mais leia a nossa Política sobre cookies. Aconselhamos igualmente a consulta da nossa Política de privacidade.

XANGAI: COVID-19

Conheça os constrangimentos, medidas de relançamento da economia e oportunidades de negócio em Xangai decorrentes da COVID-19.

PRINCIPAIS CONSTRANGIMENTOS PARA AS EMPRESAS

  • Apesar de uma quebra no setor primário, o valor agregado quer do setor secundário como do terciário (que representa 73,1% do total do PIB) aumentaram em 2020: Primário: 10,357 mil milhões de yuans, uma redução de 8,2% face ao ano anterior; Secundário: 1.028,947 mil milhões de yuans, um aumento de 1,3%; Terciário: 2.830,754 mil milhões de yuans, um aumento de 1,8%.
  • O total de importações e exportações de bens na cidade de Xangai foram de 3.482.847 milhões de yuans, um aumento de 2,3% face ao ano anterior. O valor total das exportações foi de 1.372,536 mil milhões de yuans; o valor total das importações foi de 2.110.311 mil milhões de yuans. As empresas privadas aumentaram 11,3%, as empresas de capital estrangeiro 2,9% e as empresas estatais diminuíram 12,8%. No que diz respeito às trocas comerciais por categoria de produto, aqueles com alto teor tecnológico aumentaram 6,3%, bem como os mecânicos e eletrónicos, que aumentaram 3,9%. 
  • No que diz respeito às trocas comerciais entre Xangai e Portugal, apesar de terem sofrido uma quebra de -38% em junho, têm vindo aumentar entre julho e outubro, em comparação com o período homólogo em 2019 (16%, 36%, 29% e 40%, respetivamente).
  • No que concerne às exportações de Portugal para Xangai, os resultados registados pela Alfândega desta cidade nos últimos meses foram bastante positivos: junho (43,8%), julho (17,16%), agosto (37,8%), setembro (24,6%) e outubro (48%).

http://tjj.sh.gov.cn/ 

 

APOIO ÀS EMPRESAS NO MERCADO 

O governo municipal de Xangai anunciou 28 medidas para atenuar os prejuízos que possam advir da epidemia:

  • Intensificação de apoio fiscal e financeiro para empresas que desempenham papéis importantes na prevenção de epidemias, como farmacêuticas.
  • Isenção de imposto para a importação de produtos médicos relacionados com a prevenção da epidemia.
  • Redução ou isenção temporária de rendas de imóveis para PME que arrendem imóveis do Estado, entre fevereiro e abril.
  • Isenção de imposto sobre montante fixo para empresas em nome individual.
  • Redução das taxas de juro nos empréstimos a empresas que estejam diretamente envolvidas no combate à epidemia, PME ou dos setores mais afetados.
  • Redução temporária da contribuição de segurança social para empregadores.
     

CONSELHOS ÚTEIS ÀS EMPRESAS

  • A pandemia aumentou a consciencialização do consumidor chinês sobre a fragilidade da saúde humana. Por exemplo, um estudo da consultora Nielsen revelou que os entrevistados mostraram uma consciência sobre a sua saúde muito mais evidente, com a maioria a afirmar que prestará mais atenção à alimentação saudável mesmo após a epidemia (80%), que gastará mais em desporto e fitness no futuro (75%) e que irá aumentar os seus gastos em exames médicos regulares (60%).
  • O setor de saúde da China está atualmente classificado como o segundo maior do mundo, apenas atrás dos EUA. Em 2019, o este setor registou um volume de 1,1 triliões USD, número que representa um aumento de 10 por cento em comparação com o ano anterior. Segundo a China Briefing, de momento, o mercado da saúde na China oferece oportunidades no seguinte segmento dos dispositivos médicos nas categorias de: prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação.
  1. Saúde preventiva.
  2. Telemedicina e gestão digital do paciente.
  3. Otimização de dados para melhorar a qualidade dos serviços de saúde.

4. SITES RELEVANTES

Nota: Tendo em conta o rápido desenvolvimento da pandemia COVID-19 e dos seus impactos na economia dos diversos países, a informação constante nesta página poderá não corresponder à totalidade da informação do mercado disponível e poderá ficar temporariamente desatualizada.

Última atualização: 1 de março de 2021.

As empresas clientes da AICEP poderão contactar os respetivos Gestores de Cliente que lhes poderão fornecer informação adicional ou mais detalhada.