O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação e exibir anúncios dirigidos. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies. Para saber mais leia a nossa Política sobre cookies. Aconselhamos igualmente a consulta da nossa Política de privacidade.

BRASIL: COVID-19

Conheça os constrangimentos, medidas de relançamento da economia e oportunidades de negócio no Brasil decorrentes da COVID-19.

PRINCIPAIS CONSTRANGIMENTOS PARA AS EMPRESAS

  • Setores da economia mais afetados: Transportes aéreos, turismo e eventos, comércio e restauração (canal HORECA).
  • Restrições à entrada no país e circulação: Para entrada no país é obrigatória a apresentação de teste de PCR negativo.
  • Indústria: Retomou a atividade. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de janeiro revelam que a pandemia teve um impacto geral negativo sobre 70% dos setores industriais.
  • Serviços: Retoma da atividade sujeita ao cumprimento de horários reduzidos. Dados do IBGE registam quebra acumulada de 7,8% no volume de serviços em 2020, onde se destacam as fortes quedas nas receitas das empresas que atuam nos serviços prestados às famílias, serviços administrativos, profissionais e complementares e transportes e serviços auxiliares.
  • Eventos sociais e culturais: Diversos Estados reataram as suas atividades sociais e culturais, aplicando critérios de limitação de público. O Observatório Itaú Cultural divulgou, em janeiro, um estudo onde revela, de acordo com uma consulta efetuada a 2.667 empresas do setor, que 44% demitiu a totalidade dos seus colaboradores ao longo do ano, estimando a perda total das suas receitas em 41,8% em 2020.
  • Atual status – Dados divulgados pelo Ministério da Saúde, mostram que janeiro representou o terceiro mês com mais óbitos desde o início da pandemia. Várias prefeituras voltaram a aplicar medidas de segurança apertadas.

APOIO ÀS EMPRESAS NO MERCADO

  • O Governo encontra-se a estudar novas medidas económicas que visem a redução dos impactos da pandemia, considerando que o anterior quadro de apoio vigente previa que a grande maioria dos apoios terminasse em dezembro de 2020.
  • A taxa SELIC (taxa de juros de referência do mercado) mantem-se em 2% (a menor taxa da história), existindo porém, uma tendência de subida para controlo da inflação que tem vindo a ser crescente.
  • O impacto total estimado das medidas tomadas pelo Banco Central (de fomento de liquidez e capital) para apoio à economia é estimado em mais de 30% do PIB.
  • O Ministério da Economia comunicou que o impacto fiscal primário das medidas de combate ao coronavírus atingiu R$ 605.000 milhões (cerca de 96 mil milhões de euros), cerca de 8,4% do PIB.
  • A maioria dos Estados estão a rever os planos de flexibilização avançada da quarentena face ao aumento do número de casos e ao impacto da segunda vaga.
     

CONSELHOS ÚTEIS ÀS EMPRESAS

  • Comércio eletrónico: continua a ser o canal privilegiado a ser explorado por quem quer manter nível de atividade no mercado. As vendas online (50,4%) da Black Friday 2020, superaram pela primeira vez as vendas das lojas físicas.
  • Setor em foco: Saúde – Aparelhos, dispositivos e produtos associados à segurança e prevenção de contaminação (respiradores, EPIs, medicamentos, etc.)
  • Oportunidades: O Governo Federal, os Ministérios, Estados e Municípios têm feito diversas ações para captação de investimento privado de forma a alavancar o crescimento no pós-covid. Destacam-se oportunidades na área do saneamento.

SITES RELEVANTES

Nota: Tendo em conta o rápido desenvolvimento da pandemia COVID-19 e dos seus impactos na economia dos diversos países, a informação constante nesta página poderá não corresponder à totalidade da informação do mercado disponível e poderá ficar temporariamente desatualizada.

Última atualização: 1 de março de 2021.

As empresas clientes da AICEP poderão contactar os respetivos Gestores de Cliente que lhes poderão fornecer informação adicional ou mais detalhada.