O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação e exibir anúncios dirigidos. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies. Para saber mais leia a nossa Política sobre cookies. Aconselhamos igualmente a consulta da nossa Política de privacidade.

ÁFRICA DO SUL: COVID-19

Conheça os constrangimentos, medidas de relançamento da economia e oportunidades de negócio na África do Sul decorrentes da COVID-19.

PRINCIPAIS CONSTRANGIMENTOS PARA AS EMPRESAS

A África do Sul encontra-se, desde 1 de fevereiro, num nível 3 ajustado (numa escala de 1 a 5) de alerta à pandemia de Covid-19.

Se bem que tenham sido atingidos picos diários acima dos 20.000 novos casos de infeção durante as duas primeiras semanas de janeiro de 2021, a média de novos casos diários registados a partir de meados de janeiro de 2021 baixou significativamente, atingindo uma média, ao longo da terceira semana de fevereiro, de 2021 de 1.638 casos diários.

As medidas associadas ao estado de alerta nível 3 não são particularmente restritivas quanto ao normal funcionamento da economia do país, e apenas para já impõem o uso obrigatória da máscara em espaços públicos, restrições à venda de álcool, o fecho obrigatório de estabelecimentos abertos ao público às 22h00, alargam o horário de recolher obrigatório - agora a partir das 23h00 e até às 04h00 -, e proíbem, salvo raras exceções, os ajuntamentos e reuniões de pessoas em espaço fechado, levantando certas restrições para aqueles em espaço aberto.

Desde a descoberta da nova estirpe Sul-Africana do vírus em finais de dezembro 2020, a maior parte das companhias aéreas internacionais tem mantido com restrições a sua operação com destino à África do Sul, tendo as viagens com partida da África do Sul sido aquelas que sofreram mais perturbações/restrições.

APOIO ÀS EMPRESAS NO MERCADO

O Ministério do Comércio e Indústria (DTI) criou um fundo de mais de 3 mil milhões de Rands (cerca de 150 milhões de euros) de apoio à indústria, nomeadamente do setor alimentar, da energia e dos componentes industriais.

O Ministério das Pequenas Empresas disponibilizou também instrumentos de ajuda a PME, sendo que, em ambos os casos, os auxílios destinam-se exclusivamente a empresas com 100% de capital sul-africano e com, pelo menos, 70% de trabalhadores locais.

As únicas medidas que abrangem igualmente empresas de capital estrangeiro referem-se a subsídios em casos de lay off temporário, assim como outras na área fiscal, como incentivos para a criação/manutenção de emprego e diferimento no pagamento de impostos.

Foi igualmente anunciado, pelo Presidente Cyril Ramaphosa, um extenso reforço de apoios de carácter socioeconómico no valor recorde de 500 mil milhões de Rands (25 mil milhões de Euros), equivalente a 10% do PIB da África do Sul.


CONSELHOS ÚTEIS ÀS EMPRESAS

Não sendo tradicionalmente o canal preferencial do consumidor local, o E-commerce tem vindo a evoluir consideravelmente em consequência da pandemia COVID-19, tornando-se um setor de aposta para o futuro. As empresas interessadas no mercado sul-africano deveriam aproveitar esta oportunidade para melhorar a sua presença online e desenvolver novos canais de comunicação, com vista a desenvolver e melhorar a sua visibilidade nesse mercado e facilitar o seu trabalho de prospeção.

Não obstante a situação económica menos favorável que o país atravessa, é primordial manter o contacto com os agentes económicos sul-africanos, designadamente através de reuniões virtuais.

SITES RELEVANTES

Nota: Tendo em conta o rápido desenvolvimento da pandemia COVID-19 e dos seus impactos na economia dos diversos países, a informação constante nesta página poderá não corresponder à totalidade da informação do mercado disponível e poderá ficar temporariamente desatualizada.

Última atualização: 1 de março de 2021.

As empresas clientes da AICEP poderão contactar os respetivos Gestores de Cliente que lhes poderão fornecer informação adicional ou mais detalhada.